segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Normas básicas para obter uma linha de alto valor genético

Normas básicas para obter uma linha de alto valor genético

INTRODUÇÃO
Desde que comecei a criar, meio a serio já que ao principio creio que como a maioria, só com o feito de de criar dava-me por satisfeito do feito de obter essas crias cada ano, quando passei de criar canários, a criar canários de canto a questão começou a mudar . já que se a aumentar uma dificuldade… ou eu no momento assim o vi . não só se tratava de criar canários.. mas também que cantassem.. e todavia muito mais , dentro de um standard , a questão complica-se.. já que criar, todo o mundo é capaz de criar, que o canário cante, mais ou menos correctamente, é algo genético e intrínseco no canário macho … agora bem.. que cante dentro de um standard e vamos adicionar a dificuldade  , de que esse canto seja meritório, sem defeitos, e que quando tu inocentemente tu apresentas-te a um concurso seja valorizado, apreciado já não só pelo juiz, e pelos aficionados e amigos a questão, complica-se muitíssimo para o bem e para o mal, o meu juízo deixa de falar de criação de canários e começa a falar de canaricultura.
 Eu pela minha parte, tenho dado e dou tombos, com mais ou menos acerto, tive a sorte de contactar com criadores experimentados e distintos que me tem ajudado e que tem deixado certo posso no meu conhecimento. 
Recordo que um dia que visitei a casa, de um amigo e criador para ver o seu canaril levantei o tema do canto, não podia ser de outra maneira e este comentou-me; “O canto é o mais difícil que tu podes encontrar na criação de canários, na cor , dois e dois vão ser quatro nisto não…..” , o comentário veio à raiz de que eu partia de uma base muito simples de macho excelente de uma estirpe dada, x fêmea excelente da mesma estirpe, o resultado prole excelente e de ai, e seria tão fácil de obter a sua linha , mas esta regra não falha por si mesma e o tempo demonstrou-me que é assim; 
Eu tinha criado antes cor e diziam-me de um vermelho intenso x um nevado = 50% intensos e 50% nevados, e assim o fiz e assim se deu, mas no canto não, isto não é assim com o qual nos encontramos antes uma paixão donde pouco sabemos de como, quando, e porque se transmite o que se transmite e de que maneira, alimentação, temperatura, e ambiente influenciam em que isto dê, como resultado, uma batata ou um campeão falando com uns e outros e cada louco com seu tema…. todos o vêem à sua maneira como uma verdade inata na sua forma de entender a canaricultura. Eu prontamente elegi um determinado objectivo tentei leva-lo acabo.

Resultados? ….. pois, tenho que ser sincero poucos a nível de resultados, nos chamados concursos mas isso cada ano si que tenho obtido , canários que sem ser extraordinários tem-me chegado e alegrado e por ultimo e por um fim último; como das minhas mão e da minha curta sapiência tenho podido ano após ano obter canários se não são notáveis, ou se são aceitáveis com o qual pôs o meu passatempo cada ano,tem sido reforçado e enriquecendo . 
A mim nunca me tem chamado em excesso os concursos, gosto de ir e não pelo feito de poder ganhar ou perder mas pelos amigos que ali possa encontrar, por lo que a minha paixão, centra-se mais no quarto de canários ou pequeno aviário , para dentro. 
Por circunstâncias minhas e de forma de ver este passatempo , sempre tenho me centrado, numa coisa que é o que a mim como criador chama-me poderosamente a atenção; obter uma pequeno grupo de canários de canto, que possa chamar minha, e que com as contribuições necessárias para ir  compensando o que seja necessário obter uma linha de canários de alto valor genético, não que eu possa tirar, a vista atrás e orgulhar-me  do trabalho efectuado, isto é para mim canaricultura!, ou premiar em um ou dois concursos num ano ou não premiar é algo secundário, se estes prémios não vem, de um trabalho efectuado quer dizer, são como um golpe..que por questões de azar , toca na tua casa, mas que nos ingredientes pouco ou nada de trabalho teu se pode ver, se bem que é certo ; que não há que deixar o mérito de que dar golpe é difícil e dá-se quando se dá e quando isto sucede o mérito é de quem tem a fortuna de tê-lo em sua casa, seja de uma maneira como de outra. 
Quero expor a minha curta experiência neste escrito, em tentar, orientar a quem o necessite em como e de que maneira se pode ganhar lograr, obtendo uma linha de canários de alto valor genético, falo da minha experiência, e desde a experiência, de outros muitos tem tido o gosto de conhecer e trocar ideias e opiniões ….. como em tudo há muita teoria, que se pode levar à prática e outra, que pelo que seja, circunstâncias do destino não podemos leva-la à prática e nos faz, renunciar a coloca-la em prática mas, creio que são uma série de recomendações muito práticas para pôr-se a trabalhar nisso. Obter uma linha de alto valor genético.

Imagem relacionada

Dou por antecipação o obrigado, a todos aqueles divulgadores deste nobre passatempo naqueles que eu, me tenho inspirado para poder fazer um aglomerado de todas estas normas ou conselhos ou conhecimentos, grande parte dos conselhos abaixo mencionados são "colheita" de Ricardo Inbashai, um grande aficionado na criação silvestres e canários , que faz anos que conheci numa daquelas famosas listas de correio“canários na rede”, e que me preocupei a traduzir muito livremente da sua língua materna, o português , ao castelhano, dando-lhe ênfase ao que eu considerava oportuno, desde o prisma de minha paixão que é o canário de canto.

Por ultimo há dizer que para obter uns bons resultados, pelas indicações ou conselhos abaixo mencionados, é necessário, que os pássaros se criem num ambiente limpo, com as normas lógicas de limpeza e desinfeções, e oferecer-lhes uma alimentação racional, O objectivo final é construir uma linha de alto valor genético, para produzir exemplares de elevado valor genético

Para conseguir isto, devemos seguir um esquema de trabalho, ao largo de várias temporadas.. e seguir além disso uma ordem no trabalho efectuado.. que eu classifico-o, em quatro escalões.. porque não tem em Temporada.. a anotação é básica mas importante.



PRIMEIRO ESCALÃO  – CRUZAMENTO ABERTO (OUT-BREEDING).
Este é o primeiro ponto creio eu que importante. para a partir de ai, realizar o trabalho ou não fazê-lo, as pessoas podem perguntar-se.. e por que não um cruzamento dentro da mesma linha de trabalho? É dizer do mesmo criador /é , a questão aplica-se a um raciocínio, se cai pelo seu próprio peso.. sobre um trabalho consanguíneo de ambos progenitores.. que leve uma consanguinidade grande, é dizer leva um trabalho detrás.. feito.. , para que seguir ou passar ao seguinte escalão ??, seria um erro, já que isso que isso quase com segurança, daria cabo de tudo, já que nós podemos crer que estamos no primeiro escalão. e na realidade estamos no terceiro. 
A partir de um cruzamento aberto.. de dois exemplares, a poder serem homozigotos.. ou os mais puros possíveis, dentro do que queremos e de linhas contrastadas, e que leve por atrás na sua árvore genealógica, daria como resultado, um cruzamento aberto.. com possibilidades de dar um bom resultado fenotipico, e de genotipo.. que através do teste da descendência.. assegura-nos se.. de que ambos progenitores , casados, e dão um resultado, de valor.. que de momento, chega-nos, e nos vale para poder seguir trabalhando, este resultado.. conter toda a força de ser um produto híbrido, de ambas linhas.. e com isso, nós podemos assegurar uma certa margem de trabalho nos seguintes anos, aparte de que o resultado, já não é um produto da linha tal ou pascoal.. é um cruzamento, que tem funcionado.. misto entre ambas.. e que se pode ser nos cheio, pelo menos, o suficiente como para nos encorajar a seguir trabalhando com isso . Eu aqui aconselharia.. um macho de contrastada qualidade, já não em quanto aos pontos.. senão mas bem.. enquanto à árvore genealógica.. e duas ou três fêmeas, da mesma qualidade.. na árvore genealógica.. e comprovar, mediante o teste da descendência, o resultado, de ai descartar todo o mal.. e ficar-se com com o melhor para começar o trabalho..


SEGUNDO ESCALÃO. CONSANGUINIDADE ESTREITA (IN BREEEDING).

Aqui há um grande conjunto de possibilidades de trabalho e anos a efectuar… formas de fazê-lo e de trabalha-lo.. sempre há que ter em conta que a consanguinidade, em suma as virtudes e multiplica os defeitos…. repito sempre há que ter em conta esta questão. podemos de uma maneira rápida, realizar uma selecção .. dos produtos.. e ir deixando o que na verdade vale a pena, como veremos mais adiante.

TERCEIRO ESCALÃO. CONSANGUINIDADE DE LINHA. (LINE BREENING).

Ainda que já não é tão crucial .. a regra básica a seguir… de que se somam-se as virtudes e se multiplicam-se os defeitos.. temos ao ser menor , a consanguinidade, uma maior margem de beneficio, Este escalão eu chamo-lhe de fixação.. de resultados.

QUARTO ESCALÃO. REFRESCO
Chegados a este ponto..toca o cru caminho, de ter que introduzir sangue, na linha.. para refresca-la e manter um vigor.

Nota: Como se pode apreciar, par poder levar a cabo um plano assim, que não entro em detalhe, de que maneira fazê-lo …. ou vital à simples vista.. é poder contar com esses progenitores iniciais.. durante o maior numero de anos..porque se não encurta
, as possibilidades de levar a bom porto o objectivo.

REGRAS GERAIS IMPORTANTES A ASSOCIAR A TODOS OS ESCALÕES DE CRIAÇÃO .
  • CONFIANÇA NO TRABALHO E FÉ
Que partimos de uns materiais diferentes, que ilusiona o suficiente para entrar num trabalho como este. Sem esta confiança , crua e razoavelmente é uma perda de tempo e energia começa-lo.


  • SELECÇÃO RIGOROSA
Selecção Rigorosa significa escolher os melhores exemplares na sua linha, ou no seu defeito os mais próximos possível ao standard ideal da linha e a eliminação drástica de exemplares defeituosos, Igualmente aquele exemplares com leves defeitos, sobre tudo quando se aplica na criação em consanguinidade.


  • BALANCEAR OS CRUZAMENTOS
  • Nunca cruzar dois exemplares que apresentem o mesmo defeito se não há mais remédio que efectuar o cruzamento, ainda que o  ideal é a seguinte norma.


  • CRUZAR OS MELHORES EXEMPLARES E SEM DEFEITOS É O MELHOR CRITÉRIO PARA A CRIAÇÃO.
  • 1.Cruzar os exemplares melhores e sem defeitos é o melhor critério para a criação, em caso de não dispor deles aplicar a norma anterior. Com isto insistir, que canários com um pedigree excepcional, ou um fenotipo excepcional,  seja de porte físico ou de canto,  passando, a prova da descendência, não dão nada de valor.. ponhamos  num máximo de dois anos.. de pouco vale seguir insistindo com estes progenitores
  • 2.Existe entre os criadores a crença  de que de cruzar um pássaro de pena larga por exemplo e outro de pena curta,  balanceia-se o tipo de pena dos seus descendentes, e isto não é certo, deste cruzamento podemos obter descendentes de três tipos, pena larga, pena curta e compensados. Porque os defeitos são transmitidos por via hereditária. 
  • Este exemplo , contrastado, na cor.. no canto é mais difícil de avaliar. já  que não sabemos os caracteres que intervêm na transmissões,, a que estão ligados.. e de que maneira, ao igual que tão pouco sabemos se são dominantes, recessivos, ligados ao sexo , ou quantitativos, mas não é mau recordar esta simples regra.
  • 3.Para iniciar a criação, de uma linha determinada, é conveniente começar a criar com exemplares óptimos e contrastados desta linhagem, preferencialmente iniciar com exemplares obtidos de algum dos criadores conhecido(a)s, e que caracteriza-se por ter uma linha de qualidade.
  • 4.A ser possível evitar iniciar a criação com exemplares de património genético desconhecido. A criação de exemplares, ainda sejam bons, de origem duvidosa, não é adequado para conseguir uma linha alto valor genético, ou no melhor dos casos necessitara-se muito tempo para obter canários de qualidade.
  • CUIDADOS COM A COMPRA
  • Quando compramos um pássaro é conveniente ter em conta os seguintes pontos:
  1. Observar o estado da ave e se canta na sua presença. 
  2. Que não presente um "amontoado" com pouco espaço para os pássaros, gaiolas pequenas, muitos pássaros por gaiola, a higiene e limpeza das gaiolas e as condições ambientais do aviário
  3. Os pássaros a comprar devem, manifestar as condições óptimas da linha a criar. Observar os pássaros restantes, todos los pássaros de este criador devem de manifestar as condições de uma linha , o ideal seria aparte da influencia visual num determinado fenótipo, o poder escutar vários canários , inclusivamente aqueles, que não estão à venda… para poder-se fazer uma ideia, de que material e do gosto para uma determinada linha dispõe este criador.
  4. Comprar machos que não tenham mais de dois anos e se são fêmeas de um.
  • CRIAR UM NUMERO DE AVES PROPORCIONAL AO NOSSO ESPAÇO E TEMPO . Evitar reunir um numero de aves muito elevado desproporcional, seja pelo espaço do criador ou pelo tempo de que se dispõe.
  • CONHECIMENTO DO STANDARD DA LINHA QUE QUEREMOS CRIAR . Ter uma ideia exacta da linha do standard é primordial o conhecimento do standard ou das características deste, só desta maneira pode-se realizar uma selecção eficaz na obtenção desta linha de pássaros. O melhoramento desta linha, não só se pode obter a través das capacidades individuais do criador (intuição, conhecimentos, sensibilidade etc ) senão em saber escolher os melhores exemplares e aplicar da melhor maneira todos os outros factores que concorrem na produção de campeões, (património genético hereditário, selecção, alimentação, ambiente etc)
  • CONTRASTAR A QUALIDADE DOS REPRODUTORES ELEITOS. a validação de qualquer casal ou cruzamento de aves, não deve ser feita só pela qualidade dos seus progenitores, se não também observando atentamente, as qualidades dos jovens descendentes, o que se conhece como “progeny-test” ou teste da descendência.
  • TRANSMISSÃO MORFOLÓGICA DOS REPRODUTORES.
  1. Características predominantes do macho.
  2. . Na prática e experiência na criação, esta demonstrado que numa  media de nove sobre dez casos, o macho transmite aos filhos as seguintes características; Tamanho, Cor, Qualidade da plumagem .
  3. Características predominantes da fêmea. Na pratica e experiência na criação, tem demonstrado que numa media de nove sobre dez casos, A fêmea  transmite aos filhos as as seguintes características; Tipo, Cabeça, Forma e  constituição física
  4. Dentro da transmissão genética dos caracteres associados ao canto, não há que duvidar que no Canto, existe uma máxima “Macho de filhas fêmeas de qualidade e fêmea filhos machos de qualidade”, esta máxima , sem nenhum tipo de  tipo de rigor científico, baseada só na experiência de criadores ao largo dos anos, e criadores de varias modalidades de canto, pois na minha opinião há que te-la  em conta, se bem que é certo que cada progenitor traz uns 50% de caracteres, sempre ele recebeu um pouco mais da fêmea, ou como mínimo ter em conta  a sua contribuição , para os descendentes machos, que são definitivamente os que cantam.
  • REALIZAR UMA SELECÇÃO COM CRITÉRIO E RIGOROSO AO MÁXIMO DOS DESCENDENTES
Seleccionar significa escolher os melhores exemplares em todos os aspectos e eliminar a todos aqueles que apresentam defeitos ainda que sejam poucos ; Utilizar como reprodutores exclusivamente OS MELHORES indivíduos. Quando realiza-se uma rigorosa selecção é preciso rejeitar a todos aqueles sujeitos que apresentem qualidades negativas ( chamam-se defeitos morfológicos, taras hereditárias, fraqueza, fragilidade, escassa fertilidade, penas defeituosas, defeitos de forma ou postura, excessiva agressividade ou excessivo medo e em concreto enquanto as fêmeas, incapacidade para fazer o ninho, defeitos nas posturas, que sejam más alimentadoras, que partam os ovos… que produzam ovos muito pequenos ou demasiado grandes.. em resumo a nossa finalidade deve-se criar com exemplares saudáveis, e férteis, que se aproximem o mais possível ao nosso standard

  • IMPORTÂNCIA DA FICHA DE NASCIMENTOS /POSTURA NAS QUALIDADES FÍSICAS DOS REPRODUTORES . 

Quando queremos conseguir uma linha de alto valor genético, devemos de escolher os reprodutores baseando-se na época de nascimento. Pergunta. Quantas posturas por ano vamos a realizar por casal ?. Resposta não mais de dois. Por que? 
Geralmente os filhos da terceira ou no pior dos casos a quarta postura, são menos assistidos pelos os seus pais, e por tanto são menos vigorosos, bem porque os pais tem entrado na fase da muda ou da pena, ou bem porque estão fatigados ou entram na fase da apatia com os seus filhos , cuidando-os mal e alimentando-os pior.
Além disso os ovos da terceira postura são mais fracos ou de pior qualidade, que os das posturas precedentes, pelas próprias fadigas e desgaste da postura e da criação, das posturas precedentes. 
De pais..nascem filhos fracos e fatigados salvando contadas excepções.

Escolher os nascidos ao inicio da época de criação, colocando a primeira ou segunda postura para reprodutores do ano seguinte , é o mais adequado pelas seguintes razões:
  1. Em período natural a época de criação é a época onde as horas de luz são já numerosas, (a luz é primordial no "cio"e na criação) nesta época as horas de luz são maiores, os filhos crescem mais rápida mente pela maior quantidade de alimentos que recebem ( proporcional às horas de luz) e por essa só razão são mais fortes.
  2. Além disso os nascidos nesta época tem uma muda jovem mais precoce e  tambem para a próxima criação já tem alcançado a maturidade necessária para reproduzir-se, por o contrário os nascidos nas posturas terceira e quarta ainda tendo igual ou maior horas de luz, não recebem, geralmente por cansaço e desgaste dos progenitores, uma correcta alimentação e não conseguem as suficientes reservas, como para afrontar uma correcta muda e posteriormente a criação .
  3. A quantidade e qualidade da alimentação recebida durante o primeiro mês de vida, condiciona bio-físicamente o crescimento posterior do pássaro
  4. Neste ponto que na minha opinião é de suma importância, e devia-se que ter em conta que se as fêmeas não são boas criadoras, haveria de dispor de uma linha de madrastas  de confiança, para poder tirar  os canários adiante.. normalmente em linhas consanguíneas , por desgraça e no canto,tem-se em segundo termino, uma série de factores fisiológicos, saúde, comportamento etc que reduzem drasticamente a fertilidade, e o mais importante o comportamento da fêmea enquanto na postura, incubação, alimentação dos filhotes, etc.
  • PREPARAÇÃO DOS FUTUROS REPRODUTORES
Muitos criadores erroneamente, estimam suficiente uma preparação de umas seis semanas prévias da criação. 

Mas aplicar uma alimentação e preparação para a criação  Motivo?
Por ser um reprodutor, é um animal importante e imprescindível que esta na sua melhor condição.. já que deverá de transmitir ao seus filhos as suas melhores características possíveis, a la par que suportar todo o desgaste que supõe a época da criação, tanto nos machos como nas fêmeas, há que dar-lhes os melhores cuidados, nestes incluem-se umas condições ambientais e higiénicas óptimas, alimentação variada de mistura, papa, verdura, frutas, gritt, cálcio etc…inclusive uma preparação de antibióticos racional e preventiva , dos reprodutores para que os pássaros mantenham-se saudáveis , robustos, férteis e resistentes às doenças, uma administração de vitaminas durante todo o ano segundo a época e como mínimo dez dias prévios ao juntar dos casais, oferecer vitaminas AD3E, que favorecem a fertilidade.

Nesta preparação é conveniente intervir durante todo o ano, sem distinguir etapas,desde o ninho para preparar convenientemente aos reprodutores, essa é a melhor preparação. Um numero exagerado de criadores, prepara os seus reprodutores, oferecendo-lhes antibióticos ou outros remédios segundo o seu critério, sem conhecer se existe ou não de doença e em caso de que exista que a origina. Evitar portanto , tais tratamentos sem motivo, pois são causa de graves danos ( magros, esterilidade, etc). 


Os tratamentos com antibióticos só devem ser realizados em dois casos : presença de una doença que se de nos pássaros, ou pela introdução indevida de sujeitos com doenças.
Identificação da doença por parte de um laboratório especializado, ou por um veterinário especialista, assim só é possível aplicar uma terapia especifica para uma doença.


  • NÃO "ESGOTAR" OS REPRODUTORES

  • Evitar em todo caso cansar e esgotar os reprodutores para que possamos conservar-los saudáveis e fortes durante uns anos, necessários por outro lado para o fim que queremos conseguir, quando trabalhamos em consanguinidade, há que tentar dispor nas melhores condições a estes reprodutores durante quatro ou cinco anos. E é importante realçar, o esgotamento excessivo ao que geralmente é submetido a excessivas posturas.. pela fêmea, demasiado pouco tempo entre as posturas , quando usam-se as madrastas, demasiadas fêmeas par um macho…enfim um grande numero de detalhes para evitar, que os reprodutores sofram excessivo desgaste que igual o ano em curso não se reflicta mas que passam a "factura" a posteriori…bem durante a muda , adoecendo o pássaro, ou com os anos.

  • NÃO PERDER TEMPO E DINHEIRO NA CONSTRUÇÃO DE UMA LINHA DEFICIENTE.
 Não desperdiçar tempo e dinheiro na construção de uma linha deficiente, se os pássaros não são ou não tem as características que buscamos,  ou gosto pessoal ou tem defeitos, não há que perder o tempo com estas aves, pensando que podemos inverter o resultado com o tempo.

  • NUNCA UTILIZAR AVES QUE NÃO REÚNAM UMAS ÓPTIMAS CONDIÇÕES DE SAÚDE.
  • NUNCA CRUZAR AVES QUE APRESENTEM DEFEITOS OU TARAS GENÉTICAS
Cruzar aves que apresentem defeitos ou taras hereditárias provenientes de linhas mal seleccionadas dará fracasso ao nosso trabalho.
  • NUNCA BALANCEAR OS DEFEITOS
Não cruzar aves que apresentem um defeito com outras que apresentem o defeito oposto, já que obteremos uma percentagem de filhos que tenham ambos defeitos, introduzindo ambos defeitos na "nossa linha"..

  • NUNCA CRUZAR AVES EXCELENTES COM OUTRAS QUE NÃO O SÃO, OU QUE TEM DEFEITOS MANIFESTADOS
Nunca cruzar aves excelentes com outras que não o são o que tem defeitos manifestos pensando que assim podemos obter bons resultados.

  • NUNCA CRUZAR AVES QUE NÃO TENHAM UMA BOA APARÊNCIA EXTERNA OU SAÚDE DEFICIENTE
Não cruzar aves que não tenham uma boa aparência física externa ( plumagem defeituosa, defeitos visíveis etc), uma boa aparência externa é sinónimo de saúde  e raramente ao contrário, isto também inclui, o comportamento do canário, a alegria que possa demonstrar, a sua vitalidade, também este aspecto por dizê-lo assim. psicológico do canário é importante na  hora de selecciona-lo para criar, incorrectamente canários nervosos por exemplo, podemos obter, canários de canto lentos e pausados, todos estes detalhes há que tê-los em conta.

  • SER CONSTANTES E PACIENTES NO NOSSO PASSATEMPO.
 Não esperar frutos imediatos do nosso trabalho. Frequentemente o principio é satisfatório  e os resultados são rápidos mas na metade do caminho , os resultados são muito mais lentos ..há que perseverar no nosso trabalho, para poder chegar ao objectivo de conseguir uma linha de um alto valor genético.

  • TODOS OS CARACTERES POSITIVOS OU NEGATIVOS TEM UMA ORIGEM GENÉTICA. 
  • Nunca duvideis de que os defeitos ou as virtudes dependem das influências genéticas .. continuando a utilizar aves que apresentem defeitos daremos origem a uma predominância destes na linha, já que cada vez mais vamos conseguindo mais "homozigotia" para estes defeitos na linha.
  • SEGUIMENTO E PEDIGREE. É imprescindível   um seguimento genealógico dos defeitos assim como dos resultados bons ou maus que vão saindo na nossa linha ao largo dos anos, assim como de um pedigree das nossas  aves.
  • NUNCA INTRODUZIR NA LINHA AVES COM DEFEITOS
Nunca ceder à tentação de introduzir na linha, canários com defeitos  sejam eles físicos, ou de comportamento, ou de canto.


  • CUIDADO COM A CONSANGUINIDADE.
  1. Não iniciar programas de criação com consanguinidade , sem ter experiência de vários anos e conhecimentos zoo técnicos desta, para poder realizar-la.
  2. Não iniciar a criação em consanguinidade, se não se dispõem de aves que apresentem as melhores condições do standard elegido e sem defeitos. quando trabalhamos em consanguinidade, há que acentuar o trabalho de SELECÇÃO.
  3. Em consanguinidade, as virtudes somam-se se  e os defeitos multiplicam-se, é uma simples regra.. mas muito efectiva e sempre há que tê-la em conta.
  4. Nos trabalhos com consanguinidade, há que aumentar cabendo a si , o trabalho selectivo e  todavia mais exigente, uma das vantagens da consanguinidade é fazer aflorar estes defeitos.. para poderem ser descartados num tempo, relativamente curto.

José Luis Bueno
CN: AI26
Traduzido por Pedro Boavida

Sem comentários:

Enviar um comentário

Valorização do canto - continuação

1.1. Timbres. Os timbres são giros/gorjeios de ritmo continuo e timbre ou sonoridade metálica, formados pela consoante “R” e a vogal “I” (ex...