quarta-feira, 6 de junho de 2012

Para conhecer e exprimentar

Artigos do Lizard Canário Clube de Portugal

 
A Propólis


Antibiótico natural isento de efeitos colaterais.
 “Os fármacos como preventivos”, tínhamos feito alusăo a algumas afirmaçőes de médicos pesquisadores, nacionais e internacionais, sobre os efeitos colaterais dos fármacos.
Enfatizava-se o conceito segundo o qual antes de se empregar um fármaco é necessário avaliar, caso por caso, se săo maiores os riscos que se correm ou os benefícios desejados.

Todos os Fármacos apresentam efeitos Colaterais?

Na Fitoterapia (medicina natural) aprendemos que existe na natureza uma resina que reveste os frutos de algumas plantas como o pinheiro, o salgueiro, o olmo, a cerejeira e tantas outras que as abelhas recolhem e elaboram com as enzimas de suas secreçőes a assim chamada Própolis, um antibiótico natural com múltiplas funçőes.

Liquido

As propriedades terapęuticas da propelis foram descobertas em tempos remotos e foram os egípcios quem utilizaram esta substância para os cuidados do aparelho respiratório, para os estados gripais para as infecçőes da pele, para a cicatrizaçăo das feridas, e para outras afecçőes de natureza variada.
Num primeiro momento, os efeitos benéficos foram empiricamente demonstrados, até que, recentemente, alguns pesquisadores no campo da Fitoterapia, entre eles o francês Pierre Lavic (1960) descobriu neste antigo fármaco os seus numerosos componentes (veja a composição) que detalhadamente confirmaram suas propriedades terapęuticas descobertas há cerca de 40.000 anos.

em estado natural

Composiçăo química da própolis:

•   50 % resinas e bálsamos: ácidos urânicos, ácidos aromáticos, etc
•   30 % gorduras e vitaminas: ácidos graxos, óleos essenciais, vitaminas do grupo B, vitamina C, vitamina E;
•   10 % de polifenóis: flavonóides (Galangina);
•   5 % pólen;
•   5 % sais minerais: cálcio, cobre, ferro, bário, crômio, etc.
Parece que săo os ácidos orgânicos e os polifenóis, contidos na própolis, que desenvolvem, principalmente, uma dupla açăo antibacteriana – bacteriostática e bactericida – significando que, respectivamente, tanto impede a multiplicaçăo das bactérias como as mata.

Outras propriedades da própolis


A própolis, além da propriedade antibacteriana, tem uma outra propriedade que para nós criadores é de extrema importância. É um antimicótico.
Agem sobretudo, contra a Cândida e Micrósporo, graças à presença dos polifenóis que bloqueiam o crescimento dos fungos.
E săo as próprias abelhas que, segundo um instinto natural, reconhecem na própolis esta funçăo e a utilizam para revestir as paredes onde a abelha-rainha põe os seus ovos, como defesa dos ataques de fungos e bactérias.Desenvolve uma açăo imuno-estimulante.
Esta açăo faz crescer a resistęncia do organismo graças ao efeito dos flavonóides (galangina) e da vitamina C que estimulam a síntese dos anticorpos e potencializam o sistema imunológico contra os agentes patogęnicos.
Segundo as afirmaçőes de renomados fitoterapeutas, a própolis năo tem efeitos colaterais e pode ser utilizada também por longos períodos e em doses mais elevadas.

A própolis usadas nas nossas criações
Devido às suas múltiplas acções e por ser um antibiótico natural de amplo espectro, a própolis pode ser usada na ornitologia, sobretudo, para a prevençăo daquelas formas bactérias intestinais que no período de incubaçăo prejudicam os filhotes até o nascimento. Pode ser usada, também, nas doenças das vias respiratórias, nas dermatites das patas que freqüentemente provocam inflamaçăo e rubor devidos, principalmente, aos erros alimentares, picadas de insectos e falta de higiene.

Onde encontrar a própolis ?
Para as nossas necessidades podemos utilizar a propólis que aparece no comércio na forma de soluçăo (gotas), encontrada em farmácias (naquelas onde se encontram produtos fitoterápicos) ou em lojas que vendem ervas e produtos naturais.
Uma recomendaçăo: procurar um produto confiável, entre os numerosos encontrados no comércio, preparados por empresas consolidadas e de comprovada experiência científica.

            Modo de usar (posologia)
            Posologia (experimental) para as doenças intestinais e respiratórias:
•   20 gotas em cada litro de água de beber no período de preparaçăo às incubaçőes por 15 dias consecutivos. A mesma dose durante 7 dias consecutivos após o nascimento dos filhotes;
•   30 gotas por litro de água de beber durante um período de 20 dias, no momento em que uma infecçăo for manifestada. É prudente neste caso intervir aos primeiros sintomas. Suspender durante 10 dias e repetir a administraçăo por mais 10 dias;
•   para as demais doenças cutâneas, algumas gotas duas vezes ao dia sobre as áreas afetadas.

Conclusão
A própolis pode ser utilizada, também, junto com outros antibióticos sintéticos.
Para os amigos criadores que, segundo uma convicção própria, năo pretendem renunciar aos antibióticos tradicionais, mencionamos, em resumo, tudo quanto tem sido relatado pelos estudiosos qualificados no campo da fitoterapia, isto é: a ingestăo da própolis pode ser feita também simultaneamente ao antibiótico alopático.
Terminada a utilizaçăo deste, é conveniente prosseguir 10 dias com a própolis. Esta precaução tem o objectivo de minimizar a queda das defesas imunológicas provocadas pelo antibiótico sintético, redução esta que origina a  reincidęncia da doença.


Doenças
 
  • Micoplasmosis nas aves

Esta doença, ataca o tecido pulmonar , e posteriormente propaga-se por todo o corpo das aves , atacando os diferentes orgãos.
Normalmente o criador não se apercebe desta doença dando apenas dá conta quando as fêmeas no inicio da postura ou durante os 13 dias de incubação ocorrem.
  • Todos os sintomas desta doença, podem variar segundo o tipo de agente:

1.   Mycoplasma gallisepticum : doença crónica mas vias respiratórias
2.   Mycoplasma synovigae: enfermidade respiratória ,sinovitis, artritis, enfermidade imunitária
3.   Mycoplasmose meleagridis  : deformação óssea, transtornos na formação das penas
4.   Myciplasma iowae : Mortalidade embrionária, ruptura dos tendões  e transtornos na formação das penas.
5.   Ureoplasma : esterelidade e aérosacultis


Os respectivos efeitos da doença

15 a 20% mortalidade embrionária
5 a 10% mortalidade
25% crescimento lento
10% perda de peso
10% ovos goros
10 a 50 % esterilidade

Como é transmitida

•   Infecção embrionária
•   Infecção por contacto
•   Infecção atravês do ar
•   Infecção atravês do pó
•   Infecção atravês da agua dos bebedouros
O periodo da incubação desta doença varia entre os 4 dias e as 3 semanas

Tratamento

O criador deve preocupar-se em impedir que a doença atinga os tecidos pulmonares penetrando posteriormente no total do organismo das aves, o que vai ocasionar dando oportunidade às bacterias comuns sejam favorecidas, por não encontrarem defesas no local onde se instalou a doença.
Estamos convencidos que unico medicamento que resolve e combae esta doença é o tiamuntim . Este fármaco tem como função manter os níveis da micoplasmosis , em  níveis baixos , fazendo com que as aves estejam em perfeito estado de saúde .
Aconselhamos um tratamento preventivo, aproximadamente em cada três meses, fazendo um possivel que um deles seja um antes dos acasalamentos e outra no período de cria.



Sabia que (do Boletim do Lizard Canário Clube de Portugal)
 
O embrião pode resistir perfeitamente até 15 dias. Assim , se uma canária ao pôr o primeiro ovo ou o segundo suspender a postura durante três ou quatro dias , esta situação não acarraterá nenhum problema, para uma perfeita incubação.

O criador apenas deve preocupar-se em mover os ovos diariamente , com este procedimento vai evitar que a gema se deposite sombre uma das paredes do próprio ovo.
•   A diarreia pode ser causada por sementes inadequadas à estação de criação ou mesmo velhas.
•   As verduras que não são devidamente lavadas.

Os sintomas apresentam o uripigio inflamado e o ventre de uma cor vidacea.
O criador por cautela deve suspende o acima citado e procurar dar às aves uma dieta de sementes de de papoila azul .
Na àgua pode-se acrescentar uma pitada de bicabornato ou então algumas gotas (2 ou três) de tinta de tanino
Sintomas especificos e caracteristicas de deficiências de vitaminas:

a)Deficiência de A – Disturbios  oculares, inclusive  corrimento lacrimação , lesões nas menbranas mucusosas de vários orgãos, lesões de pele mortalidade precoce devido a falhas no desenvolvimento do sistema circulatório

b) Deficiência de vitamina D – Raquitismo ,ovos sem casca ou com com casca fina .

c) Deficiência de vitamina E – Falha na reprodução das fêmeas e esterilidade dos machos .

e) Deficiência de riboflavina – atraso no crescimento e desenvolvimento das aves recêm-nascidos .

f) Deficiência de vitamina B12 – Alta mortalidade dos jovens aves após o seu nascimento desenvolvimento anormal dos embriões . Baixo aproveitamento dos alimentos.

O arranque das penas ( pica) e o canibalismo: são dois fenómenos indesejáveis , nos nossos aviários , retirando a beleza aos exemplares que pretendemos levar às exposições , devido às graves deficiências que trazem .

Todos estas anomalias podem aparecer por diversas causas a saber :

1ª Por causas psíquicas abaixo designadas :

a) Grande número de aves no mesmo espaço que ocorra grandes tensões entre as aves, que a mais fortes mostram-se agressivas.

b) Excesso de temperaturas ( calor)
c) Excesso de luz no local da muda
d) Número escasso de comedouros
e) Ruidos exessivos e imprevistos

2ª – Por um desiquilibrio na alimentação (dieta)

a)   Carência de aminoacidos como metionina, lisina, e cistina indispensaveis pois na formação das penas.
b)   Falta de gorduras na dieta alimentar, que forma parte das penas, estas podem ser admnistradas na papa, misturando azeite de germen de trigo.

c)   Carência de vitaminas e minerais, como o cobre, o cobalto, magnésio, cálcio e o sódio.
Como nota está mais que provado que a falta de sodio na dieta das nossas aves e sem duvida uma das causas da “pica” e o canibalismo podendo o criador evitar juntando na papa com 2 colheres de café de sal fino usado na cozinha por cada kilograma.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Valorização do canto - continuação

1.1. Timbres. Os timbres são giros/gorjeios de ritmo continuo e timbre ou sonoridade metálica, formados pela consoante “R” e a vogal “I” (ex...